Chuvas em Pernambuco seguirão abaixo da média em 2017, segundo APAC

A maior seca dos últimos 60 anos continuará castigando Ivani Oilda de Moura, 50, no primeiro trimestre de 2017. Moradora do assentamento ...

Resultado de imagem para Chuvas em Pernambuco seguirão abaixo da média em 2017

A maior seca dos últimos 60 anos continuará castigando Ivani Oilda de Moura, 50, no primeiro trimestre de 2017. Moradora do assentamento Curralinho dos Angicos, zona rural do município de Floresta, viverá, como tantos outros sertanejos, mais um período de chuvas abaixo da média histórica. É o que prevê a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), que aponta o ano de 2017 como menos severo que seu antecessor, mas, ainda assim, capaz de trazer profundos transtornos. Floresta é apenas um dos 126 municípios em estado de emergência por conta da seca, segundo a Casa Militar de Pernambuco. E nem chega a ser o pior dos cenários: 31 cidades já entraram em colapso de abastecimento, enquanto 37 estão em pré-colapso, de acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).
Nas cidades afetadas, a rotina de lamentações acaba naturalizada e se somará, mais uma vez, à angústia pela falta de chuva. O acumulado médio para o primeiro trimestre do ano no Sertão é pouco superior a 302 milímetros de chuva. Mas, segundo a Apac, ainda que não se possa afirmar ao certo quanto choverá, é certo que a região terá consideráveis milímetros a menos. “Quando afirmamos que as chuvas serão abaixo da média histórica, significa que choverá, no máximo, 20% menos que o habitual. Nesse caso, uma quantidade igual ou menor a 240mm”, explica o meteorologista Roberto Pereira. Isso significa que, entre janeiro e março, a altura da água da chuva acumulada em cada metro quadrado seria de 24 centímetros.
Para 2017, o cenário pessimista dá continuidade a um 2016 que deixou marcas. Apenas em 2016, 22 municípios entraram em colapso de abastecimento, o que afeta diretamente a vida de 323 mil pessoas em um total de 31 municípios. Em pré-colapso, quando ainda há abastecimento, mas com debilidades ou restrições por conta da pouca quantidade de água nos reservatórios, são outras 37 cidades e mais 1,1 milhão de pernambucanos.
De acordo com o presidente da Compesa, Roberto Tavares, as antigas barragens de pequeno porte, que atendiam um ou dois municípios, agora abastecem muitos mais, levando à dependência dos carros-pipa. Além disso, alerta que, apesar da situação complicada no Sertão, sobretudo diante da escassez de chuvas no período, que deveria ser chuvoso, o Agreste é a região mais afetada e enfrenta a pior seca em um século. “No Agreste, são 50 cidades em colapso ou pré-colapso. Somente a barragem de Jucazinho – que secou – deixou de abastecer 15 municípios. É preciso que sejam realizadas obras estruturadoras, como a Adutora do Agreste e a Transposição do Rio São Francisco, que vão nos auxiliar a sair dessa situação”.
A Adutora do Agreste é uma obra federal que, pronta, garantiria abastecimento permanente a 12 milhões de pessoas, em 390 municípios de Pernambuco e outros três estados. No entanto, ela sofre com a diminuição dos repasses federais. Com custo estimado em R$ 1,4 bilhão, pouco mais de R$ 500 milhões foram repassados ao governo do estado. O Ministério da Integração Nacional, após os ajustes fiscais do governo Michel Temer, garante repasses de R$ 10 milhões por mês, que devem ser focados em trechos conectados a adutoras menores.
Enquanto as obras não saem do papel, a solução é a de sempre: racionar. “Continuamos extremamente preocupados pois a situação é gravíssima. Ser melhor que 2016 (em chuvas) não significa coisa boa. 2016 foi péssimo, trágico. Estamos em uma situação em que nem chuvas na média enchem as barragens, quanto mais as abaixo da média? Temos que seguir com o racionamento e até aumentá-lo”, justifica Roberto Tavares.
 
Risco em números
126 municípios pernambucanos em estado de emergência
31 cidades do estado em colapso de abastecimento
323 mil pessoas afetadas
destas, 22 entraram em colapso em 2016
37 cidades em pré-colapso
1,1 milhão de pessoas afetadas

Reservatórios em colapso no estado 
Entremontes
Capacidade (m3) 339 milhões
Ocupação 1,4%
Boa Vista
Capacidade (m3) 153 milhões
Ocupação 0,9%
Santana II 
Capacidade (m3) 568 milhões
Ocupação 4,9%
Taquara
Capacidade (m3) 1,3 bilhão
Ocupação 0%
 
Severino Guerra 
Capacidade (m3) 17,8 bilhões
Ocupação 0%
 
Informações
Pernambuco enfrenta a maior seca dos últimos 60 anos
Agreste do estado sofre com a maior seca em um século
A caatinga afetada pela seca pode demorar até 100 anos para voltar ao seu normal
Os animais tendem a migrar para escapar da morte gerada pela falta d’água
A oscilação que vem do Pacífico
A Oscilação Decadal do Pacífico ou simplesmente ODP é um fenômeno climático responsável por mudanças climáticas duradouras. Se assemelha ao El Niño e La Niña, mas enquanto estes duram até 18 meses, o ODP pode durar até 20 anos. A oscilação é marcada por duas fases bem definidas. A chamada ODP positiva, traz a seca, enquanto a ODP negativa aumenta a umidade e gera a ocorrência de chuvas. Atualmente, vivemos uma ODP positiva.
Média histórica de chuvas JAN/MAR
302,5  mm* – Sertão
191 mm – Agreste
436 mm – Região Metropolitana
278 mm – Zona da Mata
Do Diário de Pernambuco

Matérias relacionadas

destaque 2615190426368372910

Postar um comentário

emo-but-icon

Rádio Cidade Mix Ao vivo


(Clique no play para ouvir)

Curta nossa Fanpage

WhatsAPP BLOG ELIAS PUBLICIDADES

WhatsAPP BLOG ELIAS PUBLICIDADES

Parceiros

Brasileirão 2017

https://www.tabeladobrasileirao.net/serie-a/widgets/

Grande Serra

Grande Serra

CSB

CSB
A FABRICA DE EVENTOS

Total de visualizações de página

Apoio Secretário de Agricultura

Apoio Secretário de Agricultura
Cleiton Beijamim

Vereador Arnaldo de Zé de Bia

Vereador Arnaldo de Zé de Bia
item