Criança leva raticida para escola, e 15 vão parar no pronto-socorro em SP

A aluna de nove anos acreditava se tratar de confeito para bolos ou ração para peixes e distribuiu a substância para os colegas durante ...

A aluna de nove anos acreditava se tratar de confeito para bolos ou ração para peixes e distribuiu a substância para os colegas durante o recreio
  • A aluna de nove anos acreditava se tratar de confeito para bolos ou ração para peixes e distribuiu a substância para os colegas durante o recreio
Quinze crianças foram parar no pronto-socorro, com suspeita de intoxicação, depois de entrarem em contato com um raticida - conhecido popularmente como chumbinho -, distribuído por uma colega na escola na manhã desta segunda-feira (25) em Avaré, distante 269 km de São Paulo.
O caso aconteceu na Escola Municipal Professora Norma Lilia Pereira, no bairro Chácara Tinoco. A aluna de nove anos, do 4º ano do ensino fundamental, acreditava se tratar de confeito para bolos ou ração para peixes e distribuiu a substância para os colegas durante o recreio.
As 15 crianças, entre nove e dez anos, passaram por processo de lavagem estomacal e ficaram em observação por cerca de seis horas. A dona de casa Ana Paula Barbosa, mãe de um menino de nove anos levado às pressas para atendimento médico, afirma que o filho relatou ter ingerido algumas "bolinhas" do veneno. O chumbinho tem aspecto físico geralmente sob a forma de um granulado cinza escuro ou grafite (cor de chumbo).
"Meu filho comeu cinco, mas teve uma criança que comeu mais, 15 ou 20 bolinhas. Quando a diretora foi avisada por uma das meninas que os coleguinhas estavam comendo comida de peixe, o frasco já estava praticamente vazio", contou.
Foi uma amiga da família quem reconheceu o filho da dona de casa, já no pronto-socorro, e a avisou. "A diretora da escola me ligou só depois que eu já estava no pronto-socorro, e ela não contou o que havia acontecido, apenas que meu filho havia passado mal", conta. De acordo com ela, a escola tem um bom conceito na cidade e as crianças estudam lá em tempo integral.
Os pais das crianças que supostamente ingeriram o raticida foram avisados por telefone pela diretora da escola, Nali Khairallah, mas a maioria já havia tomado conhecimento do fato por terceiros. A mãe da menina que levou a substância tóxica à instituição de ensino, cuja identidade não foi divulgada, relatou à diretora que o frasco estava guardado na gaveta de um guarda-roupas e que nunca imaginou que a filha o levaria para a escola.
O Conselho Tutelar foi acionado pela diretora. A conselheira Marta Luzia Andrade Noronha Prado explica que nos próximos dias a mulher será chamada e receberá orientações de como armazenar em casa produtos que podem ser perigosos para a saúde das crianças, como os de limpeza, por exemplo. "Como encontrou o veneno numa gaveta, a menina poderia ter encontrado um revólver e levado para a sala para mostrar para os coleguinhas, e a tragédia poderia ganhar proporções bem maiores", exemplifica.
O delegado Levon Júnior, titular da Delegacia de Avaré e que registrou a ocorrência, acredita que tudo não tenha passado de uma brincadeira. Segundo ele, foi apurado que as crianças não chegaram a ingerir o raticida, já que a substância age rapidamente no organismo, causando graves consequências e podendo levar à morte.
"Alguns chegaram a levar na boca, mas logo cuspiram e outros nem isso fizeram. Foi apenas uma brincadeira de criança", afirmou o delegado que registrou o boletim de ocorrência como não criminal.
Em nota enviada à reportagem do UOL, a Prefeitura de Avaré informou que quatro profissionais (inspetores e monitores) acompanhavam o recreio e frisou que o veneno foi levado por uma aluna. Os pais foram prontamente avisados do ocorrido. No final da tarde todas as crianças já haviam sido liberadas do pronto-socorro com recomendação de ingerir líquido e manter alimentação normal.
Ainda de acordo com a prefeitura, a diretoria da escola vai convocar uma reunião para dar esclarecimentos aos pais e lembrou que a comercialização de chumbinho é proibida no Brasil. "A Vigilância Sanitária Municipal é a responsável pela fiscalização da venda deste tipo de mercadoria. Quem comercializa o veneno, proibido por lei de ser vendido, pode ter seu comércio multado ou até interditado", finaliza o Executivo em nota.

Sobre o veneno

O chumbinho é um produto clandestino, irregularmente utilizado como raticida e não possui registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Em geral trata-se de venenos agrícolas (agrotóxicos), de uso exclusivo na lavoura como inseticida, desviados do campo para os grandes centros e utilizados irregularmente como raticidas.
De acordo com a Anvisa, os agrotóxicos mais encontrados nos granulados tipo chumbinho pertencem ao grupo químico dos carbamatos e organofosforados, como verificado a partir de análises efetuadas em diversas cidades do país. O produto é adquirido geralmente por quadrilhas de contraventores por meio do roubo de cargas, contrabando de países vizinhos ao Brasil ou desvio das lavouras. A substância tóxica é fracionada ou diluída e revendida no comércio informal.
UOL

Postar um comentário

emo-but-icon

Rádio Cidade Mix Ao vivo


(Clique no play para ouvir)

Curta nossa Fanpage

WhatsAPP BLOG ELIAS PUBLICIDADES

WhatsAPP BLOG ELIAS PUBLICIDADES

Parceiros

Brasileirão 2016

http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/

Grande Serra

Grande Serra

CSB

CSB
A FABRICA DE EVENTOS

Total de visualizações de página

Apoio Secretário de Agricultura

Apoio Secretário de Agricultura
Cleiton Beijamim

Vereador Arnaldo de Zé de Bia

Vereador Arnaldo de Zé de Bia
item